Grupo de Percussão


O Grupo de Percussão da UFBA surgiu na década de sessenta, nos festivais da Semana Santa que aconteciam todos os anos, formado por professores da Escola de Música que tocavam composições novas da época.Grupo de Percussão atualmente é formado por Gilberto Santiago, Humberto Monteiro, Walney Oliveira, Poliana Coelho, Thiago Trad, Hermogene Araujo, Ângelo Medrado alunos do curso superior de percussão da Universidade e coordenado por Jorge Sacramento, professor de percussão da UFBA, percussionista da OSBA e do Grupo JANELA BRASILEIRA; possuidor de larga experiência na música popular, onde já acompanhou artista como: Guida Moira; Clara Guimel; Carlos; Confraria da Bazófia entre outros.

O trabalho do grupo é voltado para experimentar composições e adaptações em instrumento como: Marimba, Vibrafone, Xilofone, Tímpanos, Caixa Clara, Bombo, Tom-Toms, Pratos, Triângulo entre outros. O grupo também serve às necessidades dos compositores locais em experimentar as suas idéias, os alunos de composições tem oportunidade de experimentar suas peças, os de regência podem praticar sua técnica e principalmente os alunos de percussão podem experimentar a sensação de trabalhar em grupo.

O Grupo Experimental de Percussão da Escola de Música da UFBA, vencedor do Troféu Caymmi 2003/2004 na categoria especial, com o show tributo a Pixinguinha, através da liderança do professor Jorge Sacramento, imprime uma novidade metodológica na área musical, trilhando caminhos pedagógicos que colocam em prática novas idéias para estimular e motivar os estudantes ao aprendizado da percussão, colocando-os em atividades diversas, como os variados projetos coordenados por Jorge Sacramento. Esta atividade vem proporcionando aos alunos experiências que facilitarão a sua inclusão no mercado de trabalho. Um artifício diferente foi implementado no ensino dos instrumentos de percussão como marimba, vibrafone, xilofone e klockenspiel que necessitam de uma boa técnica e de conhecimento da teoria musical.

O Núcleo de Percussão é um setor da Escola de Música da UFBA que vem desenvolvendo um trabalho sério no sentido de qualificar os percussionistas não só da EMUS, mas também de Salvador. Atualmente é coordenado pelo prof. Jorge Sacramento, mestre em Educação Musical e doutorando da mesma área na UFBA. O Núcleo possui diversos projetos que estão interligados com a cultura popular e que tem também a preocupação de formar o cidadão, colocando em prática esta função importante da Universidade. Outros projetos que são executados no Núcleo têm como objetivo principal iniciar e direcionar os interessados à prática instrumentista no naipe de percussão.


Projeto Formação de Agentes Multiplicadores

O Projeto "Formação de Agentes Multiplicadores" é formado por percussionistas com larga experiência popular e ligados a alguma entidade de Salvador. Tem como base a troca de informações, saberes, excelência entre a Universidade e a cultura afro-descendente desses alunos. Respeitando a diversidade dos alunos envolvidos, estão nesta atividade como professores e alunos. A pesquisa desenvolve uma metodologia onde se utilizam os conhecimentos prévios - ritmos afro-brasileiros - dos alunos como conteúdo pedagógico, para facilitar a transmissão e aquisição da técnica tradicional de caixa, leitura e escrita musical, construindo conhecimento em sala de aula. As pesquisas pedagógicas de Paulo Freire servem para a fundamentação teórica.


Encontro Percussivo

Projeto que reúne uma vez por mês, com um tema específico, pessoas que têm o conhecimento popular, adquirido na experiência de vida (senso comum) e outras que adquiriram conhecimento através de pesquisa. São exemplos de alguns temas abordados: A História e a Música de Blocos Afros, Afoxés, Capoeira, São João, Samba na Bahia, Bateristas da Bahia, Direitos e Deveres do Músico, a História do Trio Elétrico, Luiz Caldas, Timbalada, entre outros.


Repercutindo nas Comunidades

Neste projeto, estamos levando o grupo de Percussão da UFBA, formado por alunos do curso Básico e da Graduação, para apresentações pedagógicas em diferentes comunidades de Salvador. É apresentado um repertório de música brasileira, com arranjos melódicos/harmônicos próprios os teclados da percussão: marimba, xilofone, vibrafone e glockenspiels, além dos instrumentos de percussão tradicional da música brasileira. Já tivemos experiências em comunidade como: Mussurunga, Fundação Pierre Verger, Cefet, Colégio Oficina, Liberdade, entre outros.


Festival de Interação

Apresentação de peças para grupo de percussão, compostas pelos estudantes de composição, regidas pelos estudantes de regência e executadas pelos alunos de percussão.


Festival de Percussão

Nesta atividade são realizadas apresentações dos projetos "Formação de Agentes Multiplicadores", "Encontro Percussivo" e "Percussão Comunitária Itinerante" com as entidades envolvidas.


Cursos Oferecidos pelo Núcleo

Oficina de Percussão, oficina de bateria, percussão afro-brasileira, curso Básico de Percussão


Topo