O Madrigal da UFBA


O Madrigal é um grupo vocal profissional, fundado em 1954 pelo maestro H. J. Koellreuter. Devido à sua atuação, é considerado um dos melhores grupos vocais do Brasil. Em setembro de 1965, representou o Brasil no I Festival Internacional de Corais Universitários no Lincoln Center for the Performing Arts, em Nova York, onde foi considerado pela crítica como um dos três melhores grupos participantes. Realizou concertos em cidades americanas, quando, na oportunidade, gravou o seu primeiro disco. Além desse disco, o Madrigal gravou mais dois no Recife e participou de várias outras gravações de obras de compositores eruditos e populares. Já realizou apresentações com brilhantismo no Rio de Janeiro, na sala Cecília Meireles, além de apresentações em cidades do interior da Bahia.

O grupo constitui um importante núcleo de extensão, veículo de comunicação cultural entre a universidade e a comunidade. Desde a sua fundação, tem realizado inúmeros concertos, participando das montagens de grandes obras do repertório erudito mundial. Participou de importantes eventos e tem realizado inúmeros concertos em diferentes ambientes - teatros, praças públicas, parques, igrejas, escolas etc., apresentando-se com fins beneficentes em hospitais, orfanatos, asilos e abrilhantando, ao longo da sua trajetória, congressos, simpósios, seminários, datas cívicas e religiosas. Além da rotina de concertos, o Madrigal atende aos alunos dos cursos de Composição, executando as suas peças, de Regência e Canto, possibilitando-lhes aprimoramento e prática musical indispensáveis à formação do músico.

O Madrigal tem um grande acervo, de importância cultural e histórica, com obras que provavelmente não poderão ser encontradas em outros locais, visto que existem inúmeros manuscritos originais e arranjos dedicados exclusivamente ao grupo, incluindo várias estréias mundiais, além das primeiras execuções modernas de peças históricas recuperadas. Ao longo de sua história foram realizadas mais de 3 mil apresentações, sendo dirigido por inúmeros maestros, dentre eles: Ernst Widmer, Afrânio Lacerda, Georg Bird, Graham Griffts, Lindembergue Cardoso, Pino Onnis, Erick M. Vasconcelos, Paulo Novaes, Valmir Barbosa, José Maurício Brandão, Zobeida Prestes e Leandro Gazineo.


Composição

Sopranos
Acenísia Rodrigues Souza de Azevedo
Lília Maria Gomes Falcão
Maria Bernadete de Araújo Lima Tenores

Contraltos
Áurea Santos Silva
Dulce Barbosa dos Santos Nunes
Guiliermina S. Andrade
Marilúcia Trindade

Tenores
Luis Roberto Gazineo
Paulo Novaes de Almeida
Sérgio Emanoel de Oliveira Teixeira

Baixos
Antonio Marcos Trindade Roriz
Joabe Jesus Borges
Luiz Henrique Gonzales de Codes
Odeval Gonçalves Matos Filho
Valmir Estácio Barbasa

Topo